Páginas

quarta-feira, 6 de março de 2013

Tigre Lírio





eu sinto sua falta
podia acabar  aqui
ponto
quem dera
eu sinto sua falta
você de pijama segurando um chocolate quente tentando lembrar aquela canção
aquela?
sabe?
as historias acabaram e os personagens  permanecem perambulando
você é eternamente responsável por aqu
ah dane-se
o trigo é apenas trigo
a raposa sempre foi raposa
você  lembra daquela canção
sabe?
aquela? 
não existe canção alguma irmã 
é só o vento
eu sou o vento
embaraçando o teu cabelo
um Caim Arrependido
sou essa varanda                                  
um Fausto benevolente
o ranger da madeira morta
um Narciso displicente
o pássaro no sereno  
um Abel agradecido
sou essa nuvem que parece algodão
um Augusto íntimo e irrelevante  
no final de tudo não somos assim tão diferentes
esse mundo é uma grande cela onde pessoas colecionam pessoas
ainda nos veremos aqui ou em um exílio
assim que a mágoa ( essa companheira de viagem )
estiver com os pés cansados
agora você é apenas mais um pedaço meu
que anda por ai
livre
latente
sangrante
longe de mim.


Tigre Lírio
                            

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Minhas noites em Paris






Ela diz
“Existe um sol atrás dessas cortinas mal cheirosas”
Estico meu braço e toco o tecido encardido, a textura lembra teu cabelo embaraçado
Ela acende um cigarro e o quarto inteiro esta em chamas
Queria lembrar seu nome e esquecer seu cheiro

Ela diz
“ A vida é uma vadia sempre tentando te passar pra trás “
O beijo amargo no ventre afetuoso
Todos os fantasmas , o mesmo rosto
Todos os venenos, o mesmo gosto

Ela diz
"A decadência também tem seus direitos" 
O delírio supera a vulgaridade
Me sinto tão só aqui preso a você

Ela diz 
" Então a maldade sorriu, travestida e benevolente" 
Preciso reavaliar algumas promessas
Que Deus te perdoe pelos meus pecados



continua...