Páginas

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Dica de leitura - Cuidado com a lua...

O escritor gaucho André Bozzetto Junior estará lançando seu segundo livro intitulado “ Na Próxima Lua Cheia” pela editora Literata em parceria com o selo Estronho.

André mantém o blog Escrituras Da Lua Cheia onde publica regularmente seus contos sobre Lobisomens além da participação de escritores convidados.

Pra quem ainda não conhece o seu trabalho aqui vai cinco contos que estão entres os meus preferidos do autor. Saiba mais sobre O André no site oficial do livro

Sonhos De Pandora
Sexta-Feira Santa
 
                                             Na Proxima Lua Cheia - Site oficial

domingo, 25 de julho de 2010

Dicas de Leitura

Duas obras de autores nacionais em fase de lançamento!

Aos Olhos da Morte

Autor: M. D. Amado
Capa: Cleiner Magna / M. D. Amado
Parceria com a Editora Literata
21 contos.
Apresentação de Georgette Silen
Prefácio de Rober Pinheiro
Quarta capa de Miriam Castilho
Introdução de Nine

O autor desta obra o escritor M.D Amado é dos ícones da literatura fantástica nacional, seja pela sua escrita ou pelo seu empenho em promover a literatura nacional e seus autores. Desde 1996 o autor mantém no ar o site http://www.estronho.com.br/ que funciona como uma grande portal da literatura fantástica e de terror/suspense nacional, nele os autores podem ter seus textos expostos além de encontrar um apanhado geral sobre o cenário cultural,dicas de livros, noticias,lançamentos,entrevistas, zines.etc...
M.D Amado participou de varias antologias nacionais e tem disponibilizado para donwload o ebook Empada e morte o R.I.P Revista eletronica.
Ele também administra o selo estronho que já tem em seu acervo ótimas obras de escritores nacionais.
Dono de uma escrita envolvente, tensa e assustadora. Esta com certeza é uma das obras mais esperadas dentro da literatura fantástica nacional.

Sinopse
Quem nunca teve medo da morte? Ou estremeceu a simples menção dessa palavra?
Descubra, através destas páginas, o quanto você teme o inevitável. Está preparado para enfrentar a morte?
Se vista de coragem, familiarize-se com ela, mergulhe nestes parágrafos e descubra a dor e a beleza em cada conto. Sinta o hálito gélido da morte, encare seus olhos e deixe-se beijar.
Neste livro, M. D. Amado nos revela as várias facetas da morte e todos os sentimentos que provoca no ser humano: dor, ódio, medo, saudade, revolta... E amor. Tudo maravilhosamente escrito em 21 contos emocionantes e surpreendentes, sem limites entre o mórbido e o belo.
Entre, seja bem-vindo. Afinal, a morte nos espera...

Comunidade No Orkut

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=102921605
Saiba Mais
http://www.estronho.com.br/selo/index.php?option=com_content&view=article&id=49%3Aaos-olhos-da-morte&catid=35%3Apublicacoes&Itemid=62


Lázarus

Georgette Silen, nascida na cidade de Caçapava – São Paulo, É professora de arte, arte educadora, trabalha com teatro há vinte e dois anos, já escreveu e produziu peças teatrais, ganhou prêmios como atriz e diretora em várias cidades do interior paulista e também na capital. Participou de varias antologias com contos, prefacio e organização. Além de escritora talentosíssima é uma figura de um carisma inigualável, Não mede esforços para compartilhar todo seu conhecimento com os amigos ao redor. Com certeza é o inicio de uma saga que será referencia dentro da literatura fantástica. Sucesso pra você amiga!

Sinopse
Mistério, romance, alta tecnologia, sangue e morte passam a cercar a vida de LauraVargas, museóloga brasileira, após ela aceitar um surpreendente e inesperado convite para assumir o cargo de curadora de arte no The City Museum of Art and Gallery, em Bristol, sudoeste da Inglaterra,a cidade natal da família de seu pai. Disposta a começar uma nova vida ao lado da filha adolescente, Cinthia, Laura se surpreende ao descobrir que nem todos são aquilo que aparentam ser e que a eternidade é muito mais do que um conceito, ou uma simples palavra, quando ela encontra o Lázarus e recebe dele o seu “dom”. Agora, Laura precisa fugir de seus perseguidores, interessados em obter a “cura” milagrosa para todos os males, o dom ofertado pela misteriosa criatura lendária, e que se concentra em seu sangue.



Blog
http://sagalazarus.blogspot.com/

Comunidade no Orkut

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=102845750





segunda-feira, 26 de abril de 2010

Caótica

Este conto foi postado primeiramente no http://www.estronho.com.br/ e já consta com mais de 350 acessos! O site é no mínimo incrivél! No ar desde 1996 ele funciona como um grande portal da literatura fantástica nacional. Mantido pelo escritor M.D. Amado, no site você encontra contos de varios autores, cronicas, informação e muito mais! Meu muito obrigado ao amigo M.D. Amado e a todos que acessaram o conto pelo site!

Fica aqui o conto "Caótica" , espero que apreciem a leitura e para aqueles que desconhecem...

Sim! meus caros ela realmente existe...


Caótica

No primeiro andar a banda caótica despeja sua sonoridade entorpecente. Inunda o ambiente com riffs tensos e melancólicos. Entre as luzes baixas e a fumaça de cigarros baratos a guitarra marca o ritmo de uma valsa frenética e devassa. Que noite maravilhosa...

Com sua guitarra nos braços Lana fecha os olhos e balança o corpo devagar, pouco importa aqueles que se esforçam a demonstrar indiferença. Fumam, bebem e riem como não houvesse banda nenhuma ali.
 Fodam-se...
Para Lana a musica é anestesia desmedida. Para aqueles que curtem o espetáculo, não imaginam que o verdadeiro show acontece recluso na sua mente. Entre devaneios psicodélicos e sutis microfonias ela viaja. Um mini vestido preto desenha o corpo, contratando com a pele branca casta e perolada. Os cabelos curtos e negros como a noite, na boca um vermelho intenso divulga silenciosamente um convite nefasto para a perdição.

Ela Abri os olhos e admira a insólita platéia. Rostos conhecidos e notáveis estranhos. Olhares perdidos, conversas invariáveis. A princesa gótica encanta sem perceber ou sem mesmo se importar. Não responde as encaradas fulminantes dos admiradores cobiçosos, sendo eles meninos ou meninas. Quando ela toca, a voluptuosidade ignora a carne e a devassidão, o gozo é completamente etéreo e psíquico. Em meio o calor insano que emana do aglomerado, a presença de um estranho chama a atenção de Lana. Ele surge com os cabelos esvoaçantes, os olhos negros na face pálida como uma cria de Tim Burton.

Ele e Lana encaram-se. Ela sorri exibindo o piercing decorando a boca buliçosa. Ele retribui o sorriso no mesmo tom corrupto. Mantendo firme o olhar na bela guitarrista. Os sentidos de Lana divagam junto com seus pensamentos - Quem é esse menino? Nunca o vi por aqui? Parece um príncipe das sombras, um improvável Lestat, meu Lestat -.

Entre as sombras o visitante espera até ultima musica, até o “Bis”, até o ultimo suspiro da guitarra caótica. Lana caminha até ele, e sem rituais de falsa castidade o beija, com a veemência do desejo fervendo nos lábios. Ele retribui na mesma intensidade, abraçando forte a doce menina, até sentir seus seios palpitarem junto ao seu peito.Com a voz de veludo o convite é feito:

― Lana , vamos até o meu carro?
Ela o segue mantendo distancia, analisando, admirando, cobiçando aquele ser misterioso. Eles caminham pra fora do bar. E entram em um belo carro camuflado na escuridão da noite. Lana hesita por um momento. Tenta conter o desejo inexplicável pelo homem desconhecido. E pensa em tudo que pode acontecer dentro daquele carro. Algumas escolhas podem ser irreparáveis.
 Foda-se...
 Dentro do veículos de vidros negros como as almas perdida. O casal ensaia uma valsa carnal e docemente depravada. Ele passa a língua sobre o céu da boca de Lana e enrosca no piercing provocando uma dor aguda e ligeira. Ela adora. Quantos desejos podem ser concebidos em poucos minutos? Quantas luxurias em apenas um toque? Quantas extravagâncias em um momento? Quantas desgraças em um instante? Lana poderia responder.

No seu ouvido a voz masculina se pronuncia:
 - Você não devia entra no carro de um desconhecido! Posso ser um maníaco, um tarado,ou até um vampiro...
 Ao termino dessas palavras. Lana segura forte os braços do rapaz e com uma força desumana coloca ele na posição inversa do que estavam. Agora ela esta por cima dele. Como ela gosta. As pernas delicadas agora prendem o quadril do jovem impossibilitando qualquer movimento. Por instante ela aprecia o olhar pasmado e desesperado do menino misterioso.

― Não meu querido com certeza você não é um vampiro.
 Ela termina a frase abrindo um sorriso que agora além dos lábios carnudos e o piercing reluzente, exibi os canino afiados e pontiagudos. Em um mergulho ela crava os dentes no pescoço do ilustre parceiro, agora sua vitima, seu balsamo, seu fim de noite. Caminhado de volta para o bar Lana sente a brisa noturna massagear a face, agora ruborizada pelo sangue fresco.Na sua mente a certeza de que as noites serão cada vez mais agradáveis


domingo, 28 de março de 2010

Sob a magia da lua - Por Paulo Marcelo Dalbosco

Paulo Marcelo Dalbosco. Este é um amigo que me impressiona muito pelo seu bom gosto e discernimento. O cara sempre aparece com ótimas dicas e comentários sobres os mais variados assuntos, além do seu bom humor.O engraçado é que apesar de morarmos na mesma cidade só nos conhecemos virtualmente, coisas do mundo virtual(rs.)Ele já marcou presença por aqui quando dediquei um postagem sobre o personagem Sadman de Neil Gaimam.E por esses dias ele mencionou sobre a banda MoonSpell e Fernando Pessoa, exatamente em um momento onde estou desenvolvendo um projeto(um dos varios) que tem como fundamentação a obra do poeta Fernando Pessoa! Magnífico!
Achei tão interessante que pedi a ele que me concedesse a honra de escrever algo sobre o assunto para o geada negra. O amigo só não atendeu de prontidão, como fez um trabalho excelente!E que ela seja a primeira de outras muitas colaboração e parcerias com o amigo Paulo Marcelo Dalbosco

Sob a Magia da Lua

Para mim, falar sobre o Moonspell é como falar de uma coleção de livros que me acompanha desde a adolescência, escutar e “ler” Moonspell se iguala a sentir essências antigas, olhar no olho do lobo ou sentar em uma casa de ópio atrás de um novo sonho, prazeres que só podem ser trazidos através de um bom livro, ou no caso, na música do Moonspell.

O Principio de Um Deus Mórbido

Para se chegar ao ponto que desejo com este mal escrito texto preciso contar a quem não conhece de onde origina o Moonspell e o que ele representa no mundo da música, voialá:

Primeiramente a banda se chamava “Morbid God”, sendo formada em 1989, uma banda de Black Metal formada por músicos inexperientes que queriam fazer música, a banda chegou a gravar uma faixa chamada “Serpent Angel” e lançar sua primeira demo-tape, porém a banda só veio a se estabilizar em 92 e vim a alterar o nome para Moonspell, já devido ao rumo das letras de Fernando Ribeiro (vocalista) que influenciado por seus estudos de filosofia e literatura traria letras mais maduras com conteúdo sobre antigas lendas e filosofia pagã.
Em 93 lançam sua demo “Anno Satanae” e um mini-cd intitulado “Under The Moonspell” onde a musicalidade apesar de ainda ser Black Metal pode-se notar influencia de outros estilos e citações de “Marques de Sade” e “Langsuyar T. Rex”, porém foi em 95 já na Century Media com seu primeiro álbum Wolfheart que o Moonspell mudou o rumo do metal com fortes influencia da musica oitentista, metal, folk lusitana e literatura filosófica colocando-os finalmente no eixo do metal internacional.
Seu segundo disco “Irreligious” até hoje citado por muitos como seu melhor disco é uma deliciosa obra com o charme das casas de ópio, é uma bela sequência do disco que o antecede com forte filosofia em “Mephisto”, influencia de literatura em “Herr Spiegelman” e “Opium” (que contém um trecho de “Opiário” de Álvaro de Campo que irei falar depois), lendas antigas como em “Full Moon Madness” que contém partes da música em português, música qual foi a primeira que escutei da banda pelos idos de 96 e foi responsável por boa parte da paixão que tenho pela banda.
Em 98 foi lançado o álbum “Sin\Pecado” este experimental disco me lembrou muito o que o Paradise Lost tinha feito a um ano atrás, um álbum eletrônico, lírico e atmosférico filosofando sobre a ruína humana, assim como foi nos anos oitenta com a depressão inglesa, só que mais moderno e maduro, o público “metal” torceu o nariz para este álbum que em minha opinião esta entre os melhores da banda.
Elevando ainda mais a fase experimental da banda, em 99 lançam o álbum “Butterfly Efect”, um álbum diferente de tudo que já tinha escutado e talvez muito experimental para um público comum.
Em 2001 foi gravado “Darkness and Hope” um álbum completamente oitentista que lhe gerou a fama de banda “gothic”, rótulo que não gosto de usar, mas não poderia deixar de citar, um ótimo álbum com grandes canções que em minha opinião são uma continuidade do que estava sendo feito em “Sin\Pecado”, edições especiais trazem covers de “Sacred – Depeche Mode”, “Love Will Tears Us Apart – Joy Division”, “Mr. Crowley – Ozzy Osbourne” e “Os Senhores da Guerra – Madredeus”, mostrando a variedade de influencia da banda.
Em 2003 foi a vez do álbum The Antidote ver a luz do dia, álbum que trouxe o peso novamente a música do Moonspell, junto ao disco vinha um livro de contos chamado “Antídoto” de “José Luis Peixoto”, que contribuía para o clima das letras do álbum. Em 2006 o álbum “Memórial” ganha prêmios na Mtv e o Moonspell ganha status de a maior banda de metal da Europa na atualidade, um ótimo trabalho com letras visivelmente influenciada pelo mestre do Horror H.P. Lovecraft, algo que continuou no excelente “Night Eternal” de 2008.

Um Tributo Ao Mestre

Este é o ponto principal deste texto, que o Daniel pediu para colaborar para o Geada, que seria a relação de Fernando Ribeiro com Fernando Pessoa, para isso terei que falar um pouco da vida de Fernando Ribeiro fora do Moonspell, voialá:

Ribeiro se formou na Faculdade de Letras de Lisboa, onde estudou filosofia, já publicou três livros de poesia, “Como Escavar Um Abismo” (2001), “As Feridas Essenciais” (2004) e “Diálogo de Vultos” (2007), em 2005 escreveu as introduções para “Os Melhores Contos de Howard Phillips Lovecraft” e traduziu a biografia de Lovecraft para o Português e escreve regularmente uma coluna na revista de metal portuguesa “Loud”.

A relação entre os dois “Fernandos” é visível em sua forma de fazer poesia, sendo Fernando completamente influenciado pelo maior poeta português de todos os tempos, todo poeta é um filósofo, mas nem todo filósofo é poeta. Ribeiro conseguiu transbordar sua influencia literária para a música em faixas como “...Of Dream and Drama”, “An Erotic Alchemy”, “Ataegina”, “Trebaruna”, “Ruin & Misery”, “A Poison Gift”, dentre muitas outras, mas queria destacar “Opium” música cujo tema principal é “Opiário”, poesia de Álvaro de Campos heterônimo de Pessoa na qual Ribeiro canta um trecho em português no final da canção:

"Por isso tomo ópio/
É um remédio/
Sou um convalescentes do momento/
Moro no rés do chão do pensamento/
E ver passar a vida/
Faz me tédio"

O vídeo clipe da música mostra “Fernando Pessoa (Opiário)” usando ópio para adubar sua imaginação para poder escrever, descrevendo o ambiente de uma “Casa de Ópio” algo comum na época.
O álbum todo (Irreligious) tem um “perfume” de ópio em todas as suas faixas, podemos assim notar tamanha influencia do mestre Pessoa, nesta música em especial Ribeiro faz um tributo a um grande mestre da filosofia e da poesia não só de Portugal, mas do mundo.

Videoclipe de Ópium


video


Observações Finais

Tive o prazer de poder conversar com Fernando após um show do Moonspell em SP e tive uma grande surpresa, é maravilhoso poder ver o show de uma banda que você admira há tanto tempo, mas o mais maravilhoso é você ir conversar com seu ídolo e você chegar e dizer “Puta show foda!” e ele apertar sua mão com força, lhe abraçar e dizer “Foda são vocês!” e ter a chance de elogiar ele e ver que ele é alguém normal, como você e acima de tudo humilde e gentil e tem o carinho de nos chamar de “irmãos de pátria”.

Fernando tem outros projetos fora do rock, participou de Óperas em Lisboa e de um tributo a uma cantora portuguesa chamada Amália, o projeto “Amalia Hoje” é soberbo para com a cultura do povo português, vale a pena conferir.

Video de Amália Hoje ao vivo >>

http://www.youtube.com/watch?v=kNQNuvHq70k&feature=related

Videoclipe oficial de Amália Hoje
http://www.youtube.com/watch?v=BgQeJ6BqRLI&feature=related


Para terminar quero agradecer ao Daniel pela honra de escrever para seu blog sobre o Moonspell e Pessoa que são raízes de culturas tão diferentes que bebem a água do mesmo rio, um grande abraço ao amigo Daniel. Obrigado pela atenção a estas palavras rebuscadas por alguém que não sabe escrever, mas é apaixonado pela escrita, cuidem-se!





* Paulo Marcelo Dalbosco (28), estudante de Ciência da Computação, profissã0 atual, professor. Admirador e colecionador de Videogames e HQ’s. “Ele acredita realmente que sua vida faz parte do sonhar, pobre diabo leu tanto Sandman que ficou louco! Não existe muita coisa boa para saber sobre ele, uma pessoa normal que mora em uma casa que tem algumas portas e algumas janelas, às vezes abertas, porém às vezes encontram-se elas fechadas.”



sábado, 20 de março de 2010

Sentimentos Vagabundos



O poeta é um fingidor. Finge tão completamente. Que chega a fingir que é dor. A dor que deveras sente. Fernando Pessoa
É com essa citação do maravilhoso F.Pessoa que eu abro esta nova postagem .
Junto com todo o meu fascínio pela literatura fantástica e de terror/suspense vem o meu apreço pela poesia, o ultra romantismo e a escrita de Florbela Espanca,Caio Fernado, Hilda Hilst, Ana Cristina César, Mario Prata e muitos outros.É fascinante como eles conseguem de forma tão natural falar sobre o caleidoscópio de sentimentos que formam a alma humana.Minha singela homenagem a estes "enamorados" pelos mistérios do ser e sentir ...
Meu muito obrigado a minha esposa Débora, por te me apresentado tais "tesouros" da literatura contemporânea. Sabes que sou infinitamente teu...

Aqui coloco algumas frases que nasceram de forma despretensiosa e que acabaram não encontrando seu devido lugar em alguma das minhas historias ou contos. E assim ficaram como fragmentos, Ou melhor meros devaneios literários. Não me considero poeta ou até mesmo escritor. Sou um eterno "enamorado"...ah isso sou!
Então fica aqui esta postagem tão escrachada quanto intima.Espero que apreciem


"Do que importa se meus pensamentos foram impuros, meu anseios calamitosos ou minha verdade corrupta. Amei. Trai. Roubei. Menti, e tal como os puros de coração, por fim te perdi"

"Respondo aos meus inimigos com um leve sopro na cara, e assim um furacão se cria a partir do simples ato de repudiar a ofensa e ignorar a vingança"

" Antes que fique viciado em me consumir... Te aviso que a abstinência será devastadora "

"Não anseio a perfeição, honras ou ostentação. Escrever pra mim é anestesia, é sangria! Deixar a volúpia manchar o branco casto do papel, transformando as palavras em devaneios que um dia ousei guardar só pra mim!"


"...Cada rajada suave de vento além de embaraçar seus cabelos, trás até minhas narinas o seu perfume inebriante. Uma brisa flamejante de ardor e paixão. Podia fazer de seus lábios meu mundo. E que mundo desmesurado seria. Desejá-la é como andar na beira de um abismo, esperando que com um olhar ela me derrube. Não me importo com a queda. Sei que antes que meu corpo alcance o chão ela me puxará de volta. Para então, me derrubar novamente..."
Armin Daniel Reichert

sábado, 6 de março de 2010

Entrevista com o escritor André Bozzetto Junior

É com muita satisfação que apresento o escritor e amigo André Bozzetto Junior.
Gostaria de aproveitar a oportunidade e deixar registradas algumas considerações sobre o trabalho do André.
Conheci o seu trabalho através da antologia Metamorfose (Ademir Pascale org.) e desde então acompanho sua escrita através dos contos no seu blog escrituras da Lua cheia.
E é fato que o modo como escreve, com ambientação das historias, em geral no sul do Brasil, tem influenciado demais o meu trabalho ultimamente. Foi em razão dessa influencia que tenho me dedicado a olhar com outros olhos minha cidade natal, a bela Lages (SC). E se agora tenho meu trabalho focalizado em mesclar mitos universais com o cotidiano e belezas do sul, com certeza devo esta influencia ao amigo André Bozzeto Junior, que o faz com singular maestria.
Logo abaixo da entrevista eu apresento meu conto “ Luar nas Coxilhas” onde podemos conferir esta vertente de que falo. O conto é ambientado em uma escola na localidade rural chamada de Coxilha Rica. Um lugar de verdes campos e infinita beleza.aqui cenário de uma história insólita.espero que apreciem a entrevista e o conto.Obrigado a todos


Primeiro de tudo quero dize que é uma honra e uma satisfação de poder contar com a tua presença aqui como primeiro entrevistado do Geada negra. Apesar de como o tenho como amigo, esta entrevista toma ares de um bate-papo informal, como aqueles que tivemos em Sampa no lançamento da Antologia Metamorfose, da qual participamos. A grande diferença aqui é aquela cerveja gelada dos paulistas não nos acompanha no momento! (rs...)

A satisfação é minha em poder “conversar” com uma pessoa que aprendi a admirar não apenas como escritor, mas também como amigo. Além disso, aprecio todas as oportunidades que me são dadas de divulgar e comentar o meu trabalho. Quanto à cerveja, pode ter certeza de que há uma lata bem gelada aqui do meu lado enquanto escrevo essas respostas (risos)!



1- Conte da onde veio a essa admiração pelo mito do lobisomem?

Veio desde a infância. Em partes devido ao fato de eu ter nascido e crescido em uma cidadezinha do interior da serra gaúcha onde supostas histórias “reais” de lobisomens e assombrações sempre foram muito comuns – tanto que continuam sendo relatadas pelos mais velhos até nos dias atuais – e também em virtude de eu assistir incessantemente aquela infinidade de filmes de terror que eram exibidos e reprisados com muita freqüência nos canais de televisão aberta entre meados das décadas de 1980 e 1990 (bons tempos!). Entre esses filmes, os de lobisomens sempre foram os meus favoritos, até porque eram realmente excelentes, a tal ponto de continuarem sendo cultuados até nos dias atuais, como por exemplo, “Bala de Prata”, “Grito de Horror” e o insuperável “Um Lobisomem Americano em Londres”. Sem dúvida, esses foram os principais fatores que contribuíram por me tornar um fã incondicional das criaturas licantrópicas.


2- O que te chama mais atenção no mito dos lobisomens?

Tudo (risos)! Inicialmente, o que me fascinava era a metamorfose, a idéia de o homem se converter em algo diferente de sua concepção original, assim como o paralelo com a lua cheia (embora saibamos que isso é algo recente, que não existia nas versões mais antigas do mito). Contudo, atualmente me agrada a possibilidade de ver no lobisomem uma metáfora para a exteriorização dos nossos instintos, para a liberação da energia primal que cada ser humano carrega em seu interior e que, em certas circunstâncias, pode aflorar de forma avassaladora.
3- Suas principais influências literárias?

Minhas principais influências - pelo menos em termos de literatura fantástica - são as mais óbvias e se constituem nos autores que eu li com grande voracidade na infância e na adolescência e que continuo apreciando atualmente. Impossível não citar Bram Stoker, Mary Shelley, Poe, Lovecraft, R. L. Stevenson, Álvares de Azevedo e, logicamente, Stephen King e Clive Barker, sendo que esse último é o que mais me inspira (em termos de estética literária) na hora de escrever minhas próprias histórias.

4- Você estará lançando este ano o livro “Na Próxima Lua Cheia”, conte um
pouco sobre o livro, o processo de criação.

Esse é um livro que eu comecei a escrever em 2007, parei em função de uma mudança de cidade para cursar Mestrado, e só vim a concluí-lo em 2009. Eis a sinopse oficial: “Obcecado em desvendar a verdade por trás de uma história antiga e obscura narrada por seu pai no leito de morte, Lucas decide partir na companhia de dois amigos em uma viagem a um lugarejo remoto no interior da região serrana do Rio Grande do Sul. Chegando ao seu destino, ele descobre que há um alto preço a ser pago pelos segredos revelados, pois quando surge a lua cheia, o trio de amigos se vê diante de horrendas criaturas dispostas a manchar de sangue os tons sombrios da noite. Prepare-se para embarcar em uma viagem repleta de suspense, terror e reviravoltas ao acompanhar uma sinistra história sobre vingança e lobisomens que culmina em um final surpreendente e impactante”. Creio que esse é um livro que tem plenas condições de agradar não apenas aqueles que vêm acompanhando o meu trabalho ao longo do tempo, mas também todos os apreciadores de licantropos em geral, pois é uma obra criada por um fã de lobisomens para outros fãs de lobisomens. O livro sai ainda no primeiro semestre de 2010, pela Editora Multifoco.


5- Como você avalia sua participação na antologia Metamorfose: a fúria dos lobisomens?

Participar dessa antologia foi algo fantástico! Com certeza, um dos pontos altos da minha carreira de escritor, e digo o porquê: Em primeiro lugar, porque o livro está rapidamente consolidando o status de “cult” entre os fãs do gênero, e ter o meu nome incluído nesta obra é algo que certamente contribuirá para que o meu trabalho seja perpetuado entre os admiradores das criaturas licantrópicas. Em segundo lugar, porque há neste livro muitos autores promissores que eu aprendi a admirar e dos quais certamente ouviremos falar bastante, como M. D. Amado, Adriano Siqueira, Pedro Moreno, Leonardo Ragacini, o organizador Ademir Pascale e um tal de Armin Daniel Reichert (risos)! Logicamente, estou citando apenas os autores com os quais tenho mais contato, mas há muitas outras feras integrando a antologia, de forma que é uma satisfação para mim ter um conto publicado ao lado dos trabalhos desses caras. Sem falar que foi a “estréia” do personagem Jarbas, que tem rendido muitos elogios e comentários positivos entre os leitores do blog Escrituras da Lua Cheia.


6- Como você vê o atual cenário da literatura fantástica e de terror/suspense nacional? E com ênfase nos trabalhos que remetem ao mito do lobisomem?

De uma maneira geral, vejo o cenário atual como bastante favorável, pois tenho a impressão de que o número de leitores tem aumentado consideravelmente, assim como as editoras dispostas a investir em autores nacionais. Quando lancei o meu primeiro romance sobrenatural, “Odisséia nas Sombras”, em 1998, as coisas eram muito mais difíceis, pois não havia o fácil acesso à internet (que é uma inegável e poderosa ferramenta de divulgação) e número de editoras dispostas a lançar um livro de terror de um jovem escritor completamente desconhecido era bem restrito, de forma que os autores se viam muitas vezes obrigados a assinar contratos de publicação que estavam bem longe daquilo que se pode considerar o ideal, do ponto de vista financeiro. Pelo menos foi isso que aconteceu comigo. Hoje em dia as editoras exploradoras continuam existindo aos montes, mas há também opções para que os autores publiquem suas obras de forma decente.



7- Como foi o processo de escolha de editora, mandou para muitas, ou não, como foram às respostas etc?

Eu mandei os originais do “Na próxima lua cheia” para quatro editoras e todas retornaram dando pareceres favoráveis, dizendo que estavam dispostas a publicar o meu livro. Porém, passada a empolgação inicial, vieram as propostas e foi nesse momento que eu levei um susto. Dessas quatro editoras, duas queriam cobrar para publicar o meu trabalho, alegando uma parceria para cobrir supostas “despesas de editoração”. Creio que não haveria maiores problemas em realizar tal parceria, desde que os valores fossem justos. Porém, a quantia cobrada era tão exorbitante e desproporcional à descrição dos serviços prestados, que ficou claro que essas editoras querem apenas lucrar de antemão à custa dos autores, pois assim elas garantem o ganho de um bom dinheiro mesmo que os livros não venham a ser bem vendidos, de forma que os únicos a terem prejuízos são os autores. Eu simplesmente me recuso a publicar nestes termos. Por outro lado, entre as duas editoras que me fizeram propostas decentes, optei pela Multifoco, que foi a que me pareceu mais de acordo com o projeto que eu tinha em mente para a publicação do meu livro.


8- Novos projetos, futuros e em andamento?

Para o ano de 2010 a prioridade é trabalhar na divulgação do livro “Na próxima lua cheia” e do filme independente sobre lobisomem intitulado “Lua Perversa”, produzido, roteirizado e dirigido por mim. Também seguirei dando continuidade ao trabalho do blog “Escrituras da Lua Cheia” http://www.escriturasdaluacheia.blogspot.com/ , que tem sido algo muito gratificante em função dos elogios e comentários positivos, além do portal “Gore Boulevard” http://goreboulevard.webnode.com.br/ , onde terei uma coluna para escrever sobre literatura e cinema de horror em geral. Eventualmente, também não descarto a idéia de participar de algumas antologias cujas temáticas me pareçam interessantes, e quem sabe até eu decida me divertir novamente dedicando algum tempo à produção de um novo filme amador (risos)!

Amigo muito obrigado pela entrevista. Desejo muito sucesso nos teus projetos e tenho plena certeza disso. Grande abraço!

Sou eu quem agradece pela oportunidade. Grande abraço!

Perguntas rápidas:
Um livro:
“Drácula”, de Bram Stoker, por ter me iniciado na literatura de horror.
Um autor(a): Clive Barker, pela estética literária de sua obras, que me agrada bastante.
Um filme: “Um Lobisomem Americano em Londres”, de John Landis, por motivos óbvios (risos)!
Uma música: “Pet Sematary”, do Ramones, provavelmente a primeira canção rock pela qual me apaixonei, ainda na infância.

André Bozzetto Junior e Armin Daniel Reichert

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Luar nas coxilhas


                   
                    Nos campos da coxilha rica onde os pinheiros se erguem ostentosos como pilares de um templo majestoso sem igual. Onde súditos e deuses compartilham a mesma autoridade. No fim de tarde o vento assovia canções que prometem mais uma noite fria. No horizonte o sol se põe fadigoso. Anunciando que logo toda a coxilha estará envolta pelo sepulcro da escuridão noturna.
                   
                  Na frente da casa de madeira a jovem professora observa o majestoso fim de tarde. Um a um seus adoráveis alunos vão se despedindo. Mesmo com a pouca idade partem em suas próprias montarias, como o costume desta região. Outros sorridentes e orgulhosos na garupa junto aos pais. A pequena escola agora se encontra quase vazia, falta apenas o pai de Vitor, o aluno recém-chegado do norte. Na face bucólica do garoto de oito anos, fica quase imperceptível o olhar melancólico e expressão austera que só podemos encontrar naqueles que já conheceram as maldades do mundo .Ele  manteve-se calado durante toda essa semana de aulas. Melissa compreendia,  apesar de ter apenas dezessete anos já leciona nesta localidade desde os treze. É de seu conhecimento que mudanças precisam de tempo para adaptações. Logo ele seria mais um dos seus alunos barulhentos e peraltas, Preocupados com pescarias e torneios de laço. 
Escureceu rápido e agora a lua cheia completava a lista de monumentos do esplendor noturno Melissa foi fechando as janelas. Amontoando as carteiras. Já impaciente pela negligencia do pai do garoto. Vitor pareceu notar tal aflição:
               – Professora meu pai deve estar logo chegando tenho certeza, ele disse que vem!
A frase do menino soou como um desabafo. Melissa ajoelhou-se na sua frente e acaricio sua face.
Na frente do colégio, o cavalou de Melissa demonstrava sinais de perturbação. As patas marchavam sem sair do lugar. A respiração mais rápida formava uma fumaça embranquecida frente as narinas.Algo o incomodava com certeza. Olhando ao redor só campo e pinheiros. A escuridão agora abraçava os horizontes. Melissa conseguia enxergar poucos metros a sua frente.Lembrou de pegar o lampião dentro da escola. Ante de voltar para dentro da pequena casa seu movimento foi impedido por um som que veio dos pinheiros a sua frente.
                – Seria uma gralha-azul, ou um bugio! Esses macaquinhos danados!-. Pensou.
O barulho se fez novamente agora seguido da imagem de dois olhos flamejantes em meios a escuridão das arvores.Melissa sentiu a face gelar.
                 – Pode ser um leão baio, um maldito puma querendo nos fazer de bóia !
Juntos com esses pensamentos veio a lembrança de que a velha espingarda do pai estava ali na cela do seu cavalo. Ela sabia atirar como ninguém.Com passos leves iniciou o caminho até o fiel animal.eram apenas dois metro até a arma. Nem seria preciso atirar contra o temido puma, só um disparo para cima já assustaria o animal. Antes que terminasse o primeiro passo Melissa foi ao chão com deslocamento de ar resultante do ataque da fera ao dócil cavalo. A sua frente uma besta horrível se colocava de pé.apoiada pelas patas traseiras enquanto erguia a carcaça do animal abatido, agora dividido em dois.O olhos da fera pairavam sobre Melissa.O corpo como de um homem. A face de um lobo.
Na escuridão ele sibilava.Este era seu sorriso nefasto.Junto com o uivo horrendo a fera arremessou o que sobrou do cavalo em sua direção.Uma súbita coragem fez com Melissa levantasse antes que a carcaça a atingisse, seguindo pra dentro da escola fechando a fraca porta de madeira.Vitor que estava sentado rabiscando com um giz na mão,olhou com espanto para professora que agora ofegava encostada na porta.
                  –Venha Vitor me ajude a colocar essa mesa na porta –  Um  armário frente a porta foi mais fácil, foi preciso só um empurrão para derrubá-lo.A fera esmurrava a porta e todo o casebre tremia.Apos algumas investida ela desistiu.Melissa e Vitor abraçados escutavam os passos do animal rodeando o colégio. Agora o barulho vinha de cima, do telhado. Em pancadas desacertadas o lobisomem destruía as telhas e rasgava o forro. Em um minuto ele estaria junto a eles. Melissa apavorada junto de Vitor correu para o canto da sala. Não havia pra onde fugir. Soltando do abraço protetor da professora o menino correu até o centro da sala onde começou a rabisca algo no chão com o giz que tinha nas mãos. Exatamente abaixo de onde a fera estava a ponto de despencar. Vitor correu de volta para perto de Melissa. Enquanto a fera despencava para o encontro de suas vitimas. Já dentro da escola o lobo descomunal avançou. E foi impedido por um barreira invisível.Com os olhos cheios de fúria tentou novamente e novamente sentiu o poder da própria força contra si. Melissa contemplou a fera presa em um dos mais improváveis cárceres. Vitor com o giz na mão desenhou um circulo perfeito onde pousava um enorme pentagrama ornamentado por outros símbolos menores que professora desconhecia. O menino surgiu ao seu lado e com a voz suave a acalmou:
                  – Pode ficar sossegada professora ele não vai sair daí.
Ela não respondeu, nem poderia, as palavras fugiram da sua boca assim como os fatos da sua compreensão. A fera permanecia estática no meio do desenho. No desenrolar da noite mestre e aluno adormeceram em um canto da sala. Aos primeiros raios de sol Melissa despertou, e antes de abri os olhos  desejou que tudo o que aconteceu fosse apenas um sonho ruim. Mas não foi.Na escola destruída, onde antes havia uma fera contida por um insígnia antiga, agora estava a figura de um homem sem roupas e sem hostilidade no semblante.Vitor correu em sua direção o abraçando forte em meio a alegria juvenil
                   – Pai!Pai! Eu sabia que você vinha! Eu sabia! Eu disse pra professora !
O homem encarou Melissa.O pavor que ela sentia agora se transformara em fascínio.Sentiu o peito palpitar quando o pai de Vitor a olhava, mas não era medo que ela sentia.Nem ela poderia explicar.Com a voz suave e o filho envolto nos braços ele falou:
                   – Me desculpe pelo atraso, na próxima vez eu venho mais cedo.

Continua...

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

As Frases de Sandman


Nos meados dos anos noventa conheci uma saga em quadrinhos sem igual. Era Sandman de Neil Gaiman. O promissor escritor foi chamado na época pela DC Comics para revitalizar um personagem de outra época, e Gaiman foi muito mais além disso. Ele criou uma nova mitologia cheia de elementos góticos, fantásticos e existenciais. Escrever sobre tal assunto é mais que empolgante, mas meu objetivo nesta postagem não é uma resenha sobre o trabalho de Gaiman.Quero apenas instigar aqueles que não conhecem e saudar aqueles que já conhecem a saga dos perpétuos.
Existem muitas frases, diálogos, citações marcantes na escrita de Gaiman. Essas frases abaixo são apenas grãos de areia no imenso universo de Sandman
Dedico esta postagem ao amigo da trupe noturna Paulo Marcelo, grande admirador das criações de Neil Gaiman.

Para quem não conhece

http://pt.wikipedia.org/wiki/Sandman_(Morfeus)


“Aos amigos ausentes, amores perdidos e velhos deuses... e à estação das brumas... que cada um dê ao diabo o que ele merece"

"O preço de se ter aquilo que se quer é ter aquilo que um dia se quis."

"Que poder o inferno teria se os presos daqui não conseguissem sonhar com o paraíso?"

-"Eu sou a anti-vida, a besta do julgamento, eu sou a escuridão no fim de tudo. O fim dos universos, deuses, mundos... de tudo. E o que você é mestre dos Sonhos?”
-"Eu sou a Esperança."


"Quando a primeira coisa viva
existiu, eu estava lá esperando...
Quando a última coisa viva morrer,
meu trabalho estará terminado...
Então, eu colocarei as cadeiras
sobre as mesas, apagarei as luzes,
e fecharei as portas do universo,
enquanto o deixo para trás..."

“rose Walker - ei, vc! sabia o que Freud disse sobre sonhos de voar? quer dizer que na verdade estamos sonhando em fazer sexo.”
Morpheus - verdade? então o que significa quando vc sonha que está fazendo sexo?”

"O que ganho eu, se conquisto aquilo que busco? Um sonho, um alento, uma espuma de alegria fugidia. Quem compra o contentamento de um minuto para se lamentar uma semana?"

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Meu Conto no Estronho

Jana Caótica by Andy

No meio do show da banda Caótica um inusitado visitante chama a atenção da guitarrista Lana.
Ela fica fascinada pelo jovem na platéia.Um encontro que promete muito Sexo, Sangue e Rock n' Roll!
O link abaixo leva para o conto no site Estronho do escritor M. D. Amado, figura ativa na literatura fantástica nacional. Em breve coloco mais aqui sobre os projetos do M.D. Amado. Vale a pena percorrer pelo site e conhecer melhor o trabalho do Amado e o de outros escritores.Valeu



segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Dicas de Leitura



O Desejo de Lilith - Ademir Pascale

Quando me deparei com escritor Ademir Pascale divulgando o que era o projeto futuro do seu livro , notei que seria uma obra no mínimo enigmática. E com passar do tempo constatei que O Desejo de Lilith promete muito mais que isso. O enredo envolve um velho e decadente detetive de polícia Rafael Monte Cerquillo que ao investigar um macabro suicídio, se encontrar uma conspiração contra toda a humanidade. Uma palavra-chave, transliteração de uma palavra hebraica repetida em 63 trechos da bíblia, dará início a mais sombria das investigações. O autor parti de uma minuciosa pesquisa de textos apócrifos para compor a trama que mescla fantasia e fatos reais. Entre demônios perversos, poderosos, internos e bons. Também encontramos uma sinistra relação de personagens históricos, tais como: Platão, Vlad Tepes, Erzsébet Báthory, John Milton, Thomas Chatterton, Mary Shelley, Percy B. Shelley, Robert L. Stevenson, Aleister Crowley e Jim Morrison.Em meio a uma São Paulo envolvente embalados pelo velho rock n’roll, será revelado O Desejo de Lilith.Conheci o Ademir Pascale durante a seleção da antologia Metamorfose -A Fúria dos Lobisomens- da qual ele foi o organizador.S desde então ele tem sido um figura muito importante nas minhas veredas pelo universo literário. O tenho como um mestre, um amigo, sempre presente com suas dicas, puxões de orelha(rs) e apóio.Um cara que não mede esforços para ajudar autores iniciantes e promover a literatura fantástica nacional. Deixo aqui meu desejos de sucesso(que eu tenho certeza) ao escritor e amigo Ademir Pascale!
-Sinopse -
Um descuido dos tradutores da Bíblia revelou o pior dentre todos os demônios. Um velho e decadente detetive de polícia investiga um macabro suicídio, mas o que ele não sabia era que sua vida estava por um fio e seria envolvido em uma conspiração contra toda a humanidade.O Desejo de Lilith, um romance sobrenatural vivenciado nas principais avenidas e ruas de São Paulo, repleto de segredos, revelações, aventuras e muito rock n’ roll. Mas atenção, seja forte e esteja preparado ao ler estas páginas, pois você não confiará mais em seu vizinho ou qualquer outro transeunte que cruzar o seu caminho. Você nunca mais enxergará o mundo como antes…
Afinal qual seria o Desejo de Lilith...

Blog do autor
Comunidade no Orkut



Na Próxima Lua Cheia - André Bozzetto Jr

Conhecedor do mito do lobisomem o escritor André Bozzetto Jr, nos apresenta “Na Próxima Lua Cheia” com certeza uma obra que não pode faltar na coleção de quem curte os difamados lupinos e na literatura do gênero.Grande admirador de filmes de terror/suspense o autor envolve o leitor com uma narrativa sagaz e personagens muito bem elaborados.Com certeza uma obra que vai além de uma mera historia de lobisomens. com certeza um título que se tornara referência do estilo na literatura do gênero.
Conheci o André em São Paulo no lançamento da antologia Metamorfose, na qual ambos participamos.E entre muita cerveja e papos sobre licantropia(rs) conheci mais sobre o autor e seus projetos.Uma amizade que podera render parcerias literarias no futuro, o que será um honra! O autor André Bozzeto Jr é uma figura de criatividade inquieta! Além de escritor, professor universitário, blogueiro, colunista, cineasta e por ai vai... Logo estarei colocando aqui outros Post ‘s sobre os trabalhos do amigo André Bozzeto Jr
-sinopse-

Obcecado em desvendar a verdade por trás de uma história antiga e obscura narrada por seu pai no leito de morte, Lucas decide partir na companhia de dois amigos em uma viagem a um lugarejo remoto no interior da região serrana do Rio Grande do Sul. Chegando ao seu destino, ele descobre que há um alto preço a ser pago pelos segredos revelados, pois quando surge a lua cheia, o trio de amigos se vê diante de horrendas criaturas dispostas a manchar de sangue os tons sombrios da noite.
Prepare-se para embarcar em uma viagem repleta de suspense, terror e reviravoltas ao acompanhar uma sinistra história sobre vingança e lobisomens que culmina em um final surpreendente e impactante.

Prefácio de M.D. Amado
Editora MultiFoco
Previsão de Lançamento: Primeiro semestre de 2010
Blog do autor
http://www.escriturasdaluacheia.blogspot.com/

Comunidade no Orkut

http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=97647380

















domingo, 31 de janeiro de 2010

Violeiros Clandestinos no Sesc


Imperdivel! dia 02/02 no sesc/Lages
Com vocês: Os Violeiros Clandestinos

É um grupo de amigos que toca música brega para os roqueiros e rock para os bregas. Abrange os gostos pop, rock e brega, utilizando ainda pitadas de músicas mexicanas e clássicas populares. Os Violeiros Clandestinos levam muita diversão, cultura e nostalgia para os mais diversos gostos musicais.

A banda é formada por músicos com mais de dez anos de experiência na cena musical lageana e catarinense, desenvolvendo trabalhos com diversos músicos consagrados de nossa terra e tendo em seus trabalhos paralelos diversos registros.

Vale muito a pena conhecer o trabalho dos piá!

No es preciso la prata! É só chegar!

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

SAUDAÇÕES

É com muita satisfação que coloco no ar o blog Geada Negra.Aqui vocês vão encontrar contos, informações, notas , resenhas e devaneios...hehehe
Espero que ele seja um instrumento para divulgação e valorização da literatura fantástica nacional.
Sejam Bem vindos!